SEGUIDORES

MULTA DO FGTS.

 
Relativo a extinção da multa do FGTS, o presidente comentou e não houve uma manifestação a favor.
Faço minhas as palavras do meu amigo Roque Sponholz: “Abomino áulicos e covardes. Sou criativo: Crio brigas, confusões e não fujo delas.”
Quem emprega mais no Brasil, são as pequenas empresas, entre 70 % e 80 % dos empregos. Para estas empresas (PEQUENAS), deveria ser pesquisado o quanto PESA para efetuar o pagamento da multa do FGTS. Afirmo com convicção e conhecimento, que para muitas PEQUENAS, dependendo do tempo de serviço, o ônus implicará até em encerramento da atividade. Deixa de ganhar o governo com impostos e pessoas com empregos. Por isto, atribuo grande parte, a imensidade de desemprego hoje (e vem de governos anteriores).

Sugiro envolver o SEBRAE neste estudo e que empresários se MANIFESTEM (não sejam omissos).
Ponto um da questão: O funcionário, quando demitido, entre as verbas rescisórias DEVIDAS, mais o seguro desemprego, em média, vai ter um salário equivalente a quase dois anos sem trabalhar. É necessária a multa do fgts?

Ponto dois da questão: Desafio qualquer órgão, empresa, empregados a me apontar qual o índice de RESCISÃO SEM JUSTA CAUSA VERDADEIRO... Sem medo de errar, não deve chegar a 10 %, o resto (90 %) É ACERTO, para o funcionário poder sacar o FGTS e receber o SEGURO DESEMPREGO. Pedir as contas, é a última hipótese que o funcionário faria.
São verbas federais, deveria ser INVESTIGADO e punido. Depois o pessoal o “mimimimi” fala que é contra a corrupção.
Apesar do empresário também ser cúmplice nesta questão (pequeno empresário), ele quase não tem saída. Jamais demitiria alguém SEM JUSTA CAUSA, mesmo tendo o funcionário cometido erro grave. POR JUSTA CAUSA ENTÃO.... jamais. Nesta questão, certamente vai entrar com uma ação trabalhista (100 %). Mesmo que o empresário tenha pago tudo corretamente, vai ter o óbice com a justiça, buscando provas e custeando honorários advocatícios e judiciais. Pois é, as duas formas de não se pagar a multa (o funcionário pedindo as contas ou demitido POR JUSTA CAUSA), não é negócios para os pares.

Sinceramente, sobra muito DIREITO em detrimento do pequeno empreendedor.
Quem me contestar no argumento, sugiro que empreenda e empregue, só depois eu discuto com o opositor. Fora disto, não vou nem perder tempo em discutir com quem não vive na pele.
Afinal, é melhor ter MUITO DIREITO ou ter um EMPREGO? Insisto que conversem com microempreendedores sobre o assunto.
Eu sou um microempreendedor, posso falar com propriedade. Este é um dos grandes óbices do Brasil para empresas. Tudo é nivelado com base em GRANDES EMPRESAS, desde exigências burocráticas, até em questões trabalhistas.
Fica aí a sugestão para o presidente Bolsonaro. Quer continuar com a multa (e seguro desemprego)? Que seja então formalizado (e investigado), assinando um TERMO DE RESPONSABILIDADE e, que qualquer desvio de finalidade, a pessoa beneficiada será punida e presa (É CRIME FEDERAL).

MOACYR LUIZ DA SILVA.
Microempreendedor.

CABELOS COMPRIDOS




CABELOS COMPRIDOS. Quem argumentar que é coisa de "mulher", faço a pergunta se os homens nascem carecas (sem cabelo). Até nascem, como as mulheres também, mas não fosse coisa natural, não crescia cabelo em homens.....rssr MAGO MERLIN.




Nos tempos em que vivemos atualmente, a cultura está baseada principalmente na imagem. Todos os aspectos de nossa aparência são subjetivos e dependem mais de como queremos nos apresentar do que qualquer outra coisa. Por exemplo, escolhemos roupas justas para ficarmos mais atraentes, embora seja mais incômodo de usar. Usamos salto alto, embora acabe com nossas pernas. Usamos gravatas, embora elas nos sufoquem. A estética se tornou um dos fatores mais importantes, embora seja verdade que a estética também serve a necessidade de representar um determinado grupo. Por exemplo, há grupos sociais que, para demonstrar que pertencem a esse grupo em particular, deixam o cabelo crescer e assim o mantêm, ou se vestem de uma certa cor, ou levam acessórios de um certo tipo.

Porém, muitos séculos atrás, a aparência não tinha tanta importância como tem hoje. O simbolismo e a informação que se passava ao exterior eram muito mais importantes. Por isso, nas tribos indígenas se observava e ainda se observam certos comportamentos e formas de ser que não existem no mundo “civilizado”. Um deles é que muitas pessoas naquele tempo usavam o cabelo comprido. E não era porque não tinham como cortar, como poderíamos pensar atualmente. De jeito nenhum. No caso de precisarem cortar o cabelo, criariam utensílios para fazer isso. O cabelo comprido tinha um uso muito peculiar e este artigo vai tratar desse tema.

A história do artigo de hoje começa nos tempos da Guerra do Vietnã, chamada também de Segunda Guerra da Indochina ou Guerra contra os Estados Unidos, para os vietnamitas (1955 – 1975). Ou, melhor dizendo, a história começa com um psicólogo licenciado que trabalhou durante muitos anos em um hospital e cujos pacientes eram veteranos dessa guerra com desordens de estresse pós-traumático. Depois de um duro trabalho com esses pacientes, o próprio doutor começou a deixar acrescer a barba e o cabelo. Muitos de seus amigos de trabalho seguiram seu exemplo. Por quê? A resposta se encontrava em estudos, que vamos te mostrar agora mesmo.

Segundo esses documentos, durante a Guerra do Vietnã, os Estados Unidos enviaram das Reservas Indígenas da América guerreiros talentosos que ajudariam durante o transcorrer da batalha. Precisavam de homens jovens, acostumados com os bosques e as selvas daqueles terrenos. Para quem se lembra das aulas de História, a Guerra do Vietnã foi muito dura e muito cruel, principalmente devido a um terreno muito difícil para lutar: era todo de selvas espessas, impossíveis de penetrar e conhecer. Era muito fácil se perder ou morrer por razões muito diferentes, incluindo armadilhas, fauna e fora selvagens ou o que mais marcou a passagem daquele tempo, ataques de napalm. Nessas condições tão difíceis, o exército americano precisava de homens com capacidades quase sobrenaturais, especialistas em rastreamento e sobrevivência. Conseguiram envolve-los no exército à base de chantagem e fraudes.

O mais incrível era que quando abandonavam suas reservas, os índios perdiam suas capacidades, independentemente do talento que possuíam. Frequentemente, sem importar para o que eram enviados, assim que abandonavam seus lugares, deixavam de ser úteis. Os militares chegaram a pensar que faziam de propósito, porém o governo mandou fazer testes decisivos para descobrir o porquê de tal comportamento. Em primeiro lugar, perguntaram aos índios diretamente por que perdiam suas habilidades. A resposta os deixou atônitos.

As respostas dos índios eram idênticas em todos os casos. Os anciãos respondiam: devido ao corte de cabelo que faziam para serem militares, perdiam a capacidade de “sentir” o inimigo. Não podiam usar seu “sexto sentido” e nem a sua “intuição”. Seus sentidos não eram mais confiáveis e não podiam ser sutis na guerra, muito menos usar suas capacidades extra-sensoriais. O que significa isso? Mais ou menos, que o cabelo comprido é um prolongamento do sistema nervoso, que serve para sentir muito mais do que o que os cinco sentidos que conhecemos nos permitem sentir. Será que isso seria sequer possível? O governo tinha que saber e começou a fazer experiências.

Um instituto americano fez experimentos nos quais selecionava homens com o cabelo comprido e os avaliava em múltiplas tarefas de rastreamento. Em seguida, se comparava dois homens que haviam tido resultados semelhantes nos testes, mas um continuaria tendo o cabelo comprido enquanto o outro usaria um corte militar. Repetidas vezes o que tinha o cabelo comprido mantinha seus resultados, enquanto que o outro deixava de ter bons resultados. Quer um exemplo clássico desse fenômeno?

Isso foi observado em várias ocasiões: o índio está dormindo no meio de um bosque. Um inimigo armado vai em sua direção, então o homem de cabelo comprido desperta de seu sono e foge para longe antes que o inimigo se aproxime, porque tem um forte sentido de perigo. Ele se afasta antes que possa ver ou escutar seu inimigo. Ou, de maneira parecida, o homem “sabe” que o inimigo vai ataca-lo fisicamente. Ele segue seu sexto sentido e espera, agarra seu inimigo e o mata antes que ele possa estrangulá-lo. Em nenhuma ocasião o índio com o cabelo comprido se engana, e sempre sai ileso.

Parece mágica? Talvez. Talvez você nunca tenha ouvido falar de algo assim, porém tudo isso tem base científica e não tem nada a ver com o que alguém acredita ou não. Os corpos dos mamíferos se desenvolveram durante muitos anos e as capacidades de sobrevivência deles são simplesmente incríveis. Cada parte do corpo tem sua função e todas elas realizam um trabalho muito sutil para a sobrevivência e o bem-estar do organismo. Acontece que o cabelo é exatamente um prolongamento do sistema nervoso. Se você quiser, pode também chamá-lo pelo nome de “nervos exteriorizados” ou “fios sensitivos” ou até “antenas”, se for mais fácil. O cabelo transmite uma enorme quantidade de informação ao cérebro e ao sistema límbico.

E mais! O cabelo e os pelos faciais dos homens não só são um caminho pelo qual a informação pode chegar ao cérebro, mas, além disso, emitem energia própria, energia eletromagnética que o cérebro emite e que viaja para o meio ambiente exterior. Para prová-lo, foram realizadas experiências baseadas nas fotografias Kirliam. As fotos da mesma pessoa diferiam quando eram tiradas com o cabelo comprido e depois com o cabelo curto. Quando se corta o cabelo, a emissão de informações entre o meio ambiente e o corpo humano fica alterada. É um bloqueio muito grave. Ter o cabelo curto significa que é impossível perceber o estresse ambiental nos ecossistemas locais, ficamos insensíveis às relações de todo tipo e, finalmente, contribui também para a frustração amorosa.

No mundo contemporâneo, vemos uma certa tendência que quer tratar o mundo da loucura em que se encontra. Na melhor das hipóteses, é só uma “hipótese”, as suposições básicas que temos sobre o mundo são incorretas desde o princípio. Pior ainda, no melhor caso, tudo o que compõe o mundo civilizado está muito longe do que o mundo realmente é, no melhor dos casos, tudo é uma ilusão. São só sugestões baseadas no que este artigo transmite. A opinião final sempre é uma questão sua. Porém, a solução para esse mundo na verdade pode estar escondida em um lugar bem peculiar: na imagem que você vê todos os dias quando olha no espelho. No fim, a história bíblica de Sansão, que perdeu toda sua força e virtude quando sua mulher cortou seu cabelo, é mais certa e menos metafórica do que todos nós pensamos... 

INSCREVA-SE NO CANAL



A ÚLTIMA PALAVRA, SEMPRE É A MINHA...